2 de setembro de 2011

SONETO 18 ( WILLIAM SHAKESPEARE )



Se te comparo a um dia de verão
És por certo mais belo e mais ameno,
O vento espalha as folhas pelo chão
E o tempo do verão é bem pequeno.

Às vezes brilha o sol em demasia,
Outras vezes obscurece com frieza;
O que é belo declina num só dia,
Na eterna mutação da natureza.

Mas em ti o verão será eterno,
E a beleza que tens não perderás,
Nem chegarás exausta ao triste inverno:

Nestas linhas com o tempo crescerás.
E enquanto nesta terra houver um ser,
Meus versos ardentes te farão viver!

9 comentários:

Aclim disse...

O vento espalha as folhas pelo chão
E o tempo do verão é bem pequeno.

Blo poema

Abraço

Artes e escritas disse...

Maravilhoso! Um abraço, Yayá.

José disse...

Finalmente consegui seguir este blog, mas fiquei suado rss
Bonito sonete, os dias quentes do verão, eu gosto mais da Primavera, mas todas as estações têm sua beleza.

um abraço,
José.

Luna Sanchez disse...

Tudo o que nos agrada, tudo o que achamos bonito e bom passa a fazer parte, a se confundir com a pessoa que amamos, né?

Acho linda essa visão.

Um beijo, ótimo fds!

Juan Antonio Torrón Castro disse...

Lecy'ns, es un placer tener comentarios tuyos y que identifican tanto un estado de animo.

Tu blog sigue siendo precioso, con unos versos y poemas, fantásticos, gracias por tu dedicación.

Un saludo grande.

Vera Lúcia disse...

Belíssimo soneto!
Parabéns pelo bom gosto.
Abraço.

Luks Vieira disse...

Lindo poema...
Att.,
Luks

victoria eugenia disse...

Un precioso poema!!!
Mis felicitaciones.
SALUDOS

architectureofeurope disse...

Beautiful poem - in all languages

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...